MotoGP, 2021: os pontos fortes de Quartararo

Por a 21 Julho 2021 16:59

Porque é que Quartararo é tão forte em 2021? O seu mecânico-chefe Diego Gubellini tem a explicação

“Típico de Fabio e da nova geração de pilotos é que eles deslocam muito o peso para gerir a fase de travagem e aceleração!”

“Agora estou mais forte e queixo-me menos” – diz Quartararo

A estrela da Yamaha Fabio Quartararo assumiu-se como o favorito ao título na primeira metade do Campeonato do Mundo de MotoGP de 2021.

Em 2020, no entanto, a um começo forte seguiu-se uma quebra. O seu técnico-chefe Diego Gubellini explica o que mudou.

O líder do Campeonato Fabio Quartararo tem uma almofada de avanço de 34 pontos a meio do Mundial de MotoGP de 2021.

No mesmo ponto da época, das 14 corridas que sobreviveram ao Covid-19 em 2020, estava em segundo lugar, apenas um ponto atrás do então líder Andrea Dovizioso (Ducati), mas no final do ano estava entre os grandes perdedores no oitavo lugar, 44 pontos atrás do campeão mundial Joan Mir da Suzuki.

Agora, porém, Quartararo, que sucedeu a Valentino Rossi na equipa da fábrica Yamaha em 2021, apresenta-se como mais maduro e comete menos erros.

Ao mesmo tempo, a M1 não é a mesma moto de há um ano atrás. É também uma combinação de emoções e tecnologia, porque só quando um piloto encontra a sensação correta com a moto pode ir ao limite sem cair.

Embora o desenvolvimento do motor tenha sido congelado para 2021, a Yamaha conseguiu alterar o pacote global da M1 de modo a que os pilotos tivessem uma sensação semelhante à da moto de 2019 novamente.

Presumivelmente, foi feito mais trabalho sobre a rigidez do chassis, especialmente na frente, e o equilíbrio foi ajustado através da deslocação de alguns componentes.

Quando “El Diablo” foi incapaz de repetir a sua atuação no ano passado após a convincente dupla vitória na ronda de abertura em Jerez, para além do seu triunfo em Montmeló, muitos observadores responsabilizaram-no, pois o jovem francês não parecia ser capaz de lidar com a pressão crescente.

O seu chefe de tripulação Diego Gubellini, no entanto, viu a principal causa da queda de desempenho a outro nível.

“Muitas pessoas começaram a falar sobre a pressão no Fabio a nível mental, mas o maior problema era na realidade a situação técnica com a moto,” disse Gubellini.

“O ano passado ele foi super-bom em algumas pistas, mas em outras teve grandes dificuldades. Embora a moto de 2020 parecesse muito semelhante à de 2019 do exterior, muitas partes eram diferentes, pelo que a sensação também estava longe da de 2019”.

“Fabio nunca se habituou realmente à moto de 2020… Este ano, por outro lado, a moto está muito mais próxima da de 2019, e por isso tem a sensação de que ele precisa de ser consistente. Ele está basicamente a lutar pelo pódio em cada corrida, que é o ponto crucial para estar na corrida ao título”, reconhece o italiano, que tem trabalhado com a estrela Yamaha desde a temporada de estreia de Quartararo no MotoGP em 2019.

Desde o início, o estilo de pilotagem suave e controlada do El Diablo tem sido comparado ao estilo fluído de Jorge Lorenzo, que reivindicou três títulos mundiais na Yamaha M1.

Mas Quartararo não é uma cópia do Maiorquino, ele também tem outras armas à sua disposição: Acima de tudo, é mais adaptável, o que é essencial no MotoGP de hoje, com as motos cada vez mais rápidas, a eletrónica limitada e os pneus muito sensíveis.

“Lorenzo era muito suave e muito rápido nas curvas. Isso funcionou extremamente bem com a Yamaha, especialmente com os pneus Bridgestone. Fabio é semelhante porque consegue manter alta velocidade em curva, mas o seu estilo é diferente”, explicou Gubellini.

“Típico de Fabio e da nova geração de pilotos é que eles jogam muito com o seu corpo e equilíbrio, deslocam muito o peso para melhor gerir a fase de travagem e aceleração. Lorenzo movia-se muito na moto, mas lateralmente – direita e esquerda – porque o seu objetivo era aumentar a velocidade nas curvas. Fabio move-se um pouco menos a esse respeito, mas muito mais para a frente e para trás”.

O equilíbrio constante com o seu próprio corpo torna-o mais rápido reduzindo a derrapagem das rodas colocando mais peso na roda traseira sob aceleração e a tendência para perder a frente sob travagem, deslocando o peso para a frente.

“Dançar” na moto desta forma também é útil para tirar o máximo partido dos pneus, sem os sobrecarregar, conforme necessário.

A técnica de Quartararo pode ser comparada à de Marc Márquez – embora estejam em motos muito diferentes. Não é coincidência que Márquez seja também super-móvel na Honda RC213V, e não é coincidência que a maior força de Quartararo esteja a espremer o máximo do pneu dianteiro da Michelin, tal como foi para Márquez a caminho dos seus seis títulos de MotoGP.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x