Moto3: Fiorenzo Caponera encerra equipa após 23 anos

Por a 26 Novembro 2019 15:30

Após 23 anos no Mundial, Fiorenzo Caponera (63) completou o seu último Grand Prix como proprietário de equipa, com a sua equipa Mugen Race de Moto3 no fim de semana de Valencia.

“Ouvimos tantas boas, gentis e afetuosas palavras de despedida de amigos, colegas e colegas de trabalho no paddock nos três ou quatro dias no GP de Valencia, que fiquei comovido até às lágrimas várias vezes”, disse Marica, sua esposa e entusiasta da competição.

Fiorenzo (63) e Marica Caponera alcançaram muitos sucessos nos últimos 23 anos. Em 2019, os pilotos da KTM Mugen Jaume Masia e Andrea Migno também alcançaram vários resultados excelentes. Mas a época foi dramática, pois o principal patrocinador, Bester Capital Dubai, não chegou a pagar o valor acordado, e os logótipos foram retirados em Misano, para logo a seguir serem substituídos pelos da Mugen Race (fabricantes de couro).

Com uma certa amargura, Caponera permanece na certeza de que, durante anos, colocou a sua marca na classe menor do campeonato (125 cc e Moto3) e pelo caminho conquistou dois títulos mundiais (com Arnaud Vincent e Andrea Locatelli em 2000 e 2002).

“Não temos apenas orgulho das nossas realizações, mas de quantos talentos trouxemos para o topo do mundo. Essa é a nossa maior satisfação “, diz Caponera. “Na festa de despedida da equipa no domingo à noite, os pilotos e a equipa agradecida garantiram que voltariam a trabalhar connosco se voltarmos como donos de uma equipa“.

A equipa Caponera comemorou os maiores sucessos com a Aprilia 125. Houve também quatro anos magros com a Mahindra; antes da temporada de 2016, ocorreu a mudança para a KTM.

“Gerimos as Honda Suter no Campeonato do Mundo de Moto3 de 2012“, diz Caponera. “Depois a Suter Racing assumiu a construção das Mahinda de Moto3, por isso contamos com a Mahindra e a Suter. Mas o chefe de pista da Mahindra, Mufaddal Choonia, separou-se de Suter e montou o seu próprio departamento de corrida com Davide Borghesi, na Itália. O resultado foi uma catástrofe .”

Só em 2017 é que Caponera se mudou para a KTM – na época com Marcos Ramirez e Darryn Binder como pilotos.

A lista de protegidos de Caponera é interminável: Simoncelli, Goi, Redding, Rolfo, Battaini, Boscoscuro, Pablo Nieto, De Rosa, Olivé, Aegerter, Grotzkyi, Jenkner, Folger, Fagerhaug, Masbou, Sanna, Iannone, Nakagami, Hanika, Brad, Darryn Binder, Ramirez, Migno e Masia pilotaram para ele. Miguel Oliveira integrou a Mahindra depois de Caponera, já na gestão desastrosa de Mufaddal Choonia.

O casal Caponera é de Bolonha, mas viveu no Luxemburgo por dez anos.

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas Moto3
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png