Entrevista fim de época – Nacional de Superbikes – André Pires

Por a 13 Dezembro 2018 16:00

Continuamos a nossa série de entrevistas com os protagonistas da classe rainha da nossa velocidade, as Superbike, com o 3º classificado no Campeonato, André Pires, da Yamaha Fast Bikes /Beauty Machine que foi ao pódio em todas as corridas que acabou e conseguiu 84 pontos, ficando apenas a 12 do vice-campeão

Perdeste um par de corridas, uma por estares em Macau, mas que acabou por ser cancelada, mesmo assim ficaste em terceiro no Campeonato…

…e outra que caí em Portimão! O ano passado, corri com a Kawasaki da Oneundret, por isso este ano com a Yamaha foi mais uma época de adaptação, o problema é que é tudo novo, e não tivemos hipótese de treinar e adaptar-me como eu gostaria à moto… Foi uma adaptação rápida mas tivemos bastantes problemas a nível de afinações, e só treinávamos nas provas, o que não ajudou…

Reparei que nas primeiras voltas andavas com os outros, inclusivamente por vezes à frente do Tiago, depois começavas a perder rendimento, o que acontecia?

Um bocadinho falta de ritmo, depois a afinação faz diferença, era feita em poucas voltas nos treinos cronometrados, e nos privados dávamos poucas voltas, e depois notava que os pneus estavam a desgastar mais…e começava a atrasar-me um bocadinho.

A dada altura todos os pilotos da frente tiveram um azar…

O Tiago caiu no Estoril, eu caí em Portimão, acho que no meio disto tudo quem teve mais sorte foi o Ivo porque numa consegui acabar com a moto a falhar, noutra com a bandeira vermelha, contou da volta anterior e ele tinha passado em segundo e marcou pontos… Naquela prova à chuva houve uma confusão na grelha e ele ainda consegui trocar os pneus… mas sem dúvida nenhuma o Ivo estava mais forte, veio com um ritmo muito bom de Espanha, adaptou-se muito bem à Yamaha…

O Ivo estava num nível superior a nós, o Magalhães também estava bem preparado, já era o segundo ano com a Aprilia e já conhece melhor a máquina e acho que talvez de início eu estava mais fraco, depois para o fim do Campeonato lá consegui ganhar algum ritmo, mas fez-me falta aquelas provas do Nacional que cancelaram justamente no fim do Campeonato, que já estava mais habituado à moto… Ainda por cima, na prova cancelada antes do final, o Magalhães já tinha caído outra vez e acho que não ia correr, ai talvez conseguisse ganhar alguns pontos de vantagem.

De resto, já fui à Ilha de Man, tenho ido a Macau, é uma prova que dá sempre algum gozo, , lá sinto-me piloto, entre pilotos profissionais, era onde eu gostava de estar e só estar lá com eles, já tenho algum orgulho disso.. mas não se pode comparar  meu andamento com o deles, eles só fazem aquilo, até o Peter Hickman corre no Britânico de Superbike, faz terceiros e quartos, ganha ali em Macau… É outro nível, as motos não tem nada a ver, mas poder estar lá e ver aquele ambiente, sem dúvida é uma grande prova, gostava de lá ir todos os anos… dá gosto lá estar entre eles…

Já a Ilha (de Man) é uma aventura, a primeira vez ia a medo, não é nada que se possa explicar, depois cada vez vais fazendo melhor, volta a volta… Eu penso que fiz de média 185, eles estão nos 220 agora… Também, foi a primeira vez, fui em 2016 com uma Suzuki de 2013, não estava preocupado com o resultado, era alinhar e conhecer, aprender o máximo da pista… É uma prova que gostava de repetir, mas é difícil… é difícil a preparação, a logística toda, a moto, a viagem, para lá ir e é difícil a prova… só quando lá estava é que pensei agora posso-me concentrar um bocado, e pronto..

Voltando ao Nacional gostei da prova de Portimão, estava a andar forte e até cair andei perto do Ivo, não estava muito longe… também gostei da última no Estoril, estava a fazer bons tempos, estávamos a fazer um bom trabalho. Foi tudo novo, uma nova moto, um novo patrocinador, o apoio da Beauty Machines foi fundamental para acabar o Campeonato e ir a Macau…

Tenho pena de já não corrermos em Braga, era o meu circuito favorito, aonde conseguia andar mais vezes e além disso sempre andei cá, desde as 85cc, é um circuito de que eu gosto muito e era ideal porque os patrocínios também são quase todos do Norte, e era uma prova que trazia muita gente, onde eu podia reunir convidados dos patrocinadores, é uma pena ver o circuito assim… precisa de obras e ninguém se entende!

Agora é trabalhar para 2019, ver se consigo reunir patrocínios, para já ainda não está nada decidido, ficar com a mesma estrutura, com a mesma moto e aí tentar fazer uma pré-época bem-feita que não fizemos o ano passado, começámos praticamente na primeira prova, e ver se isso faz alguma diferença. A Beauty Machines em princípio fica, estamos agora negociar o patrocínio, gostaram do trabalho que fizemos e viram que temos potencial de continuar e fazer melhor no ano que vem… Também estou a pensar fazer o máximo de provas lá fora, porque aqui não conseguimos ganhar ritmo e treinar em condições, vamos tentar incluir no orçamento pelo menos fazer um teste ou dois em Espanha…

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas CEV 2018
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png